sábado, 30 de maio de 2015

Autoanticorpos desencadeando Psicoses


Este é um dos eixos da abordagem aos distúrbios emocionais:
diminuir as alergias! 
induzindo equilíbrio associado à diminuição dos neurotóxicos alimentares



Autoantibodies May Trigger First-Episode Psychosis
Liam Davenport
March 13, 2015

Children presenting with first-episode psychosis may have serum autoantibodies to the dopamine-2 receptor (D2R) and the N-methyl-D-aspartate (NMDA) receptor, suggesting that psychosis may be immune-mediated in some patients.
Investigators, led by Fabienne Brilot, PhD, head of the neuroimmunology group at the Children's Hospital at Westmead, University of Sydney, Australia, found that children presenting with acute psychosis were significantly more likely to have positive immunoglobulin binding to either the DR2 or the NR1 subunit of the NMDA receptor than control children.
"Our identification of patients with D2R and NMDAR [NMDA receptor] antibodies, receptors heavily implicated in the pathogenesis of psychotic disease, strongly suggests that the presence of specific autoantibodies may define a biological subgroup of psychosis," they write.
The research is published in the March 15 issue ofBiological Psychiatry.



Improved Diagnosis, Treatment?

Building on recent investigations reporting the presence of autoantibodies against proteins expressed on the surface of cells in the central nervous system, Dr Brilot and colleagues examined serum samples taken during the acute presentation of 43 first-episode psychosis patients younger than 17 years.
In addition, they took serum samples from 43 pediatric control persons who were either healthy or had a neurologic or general medical condition. The samples were analyzed for the presence of immunoglobulin (Ig) G, IgM or IgA antibodies to D2R and the NR1 subunit of the NMDA receptor.
The presence of autoantibodies was detected using flow cytometry live cell–based assay and immunolabeling of murine primary neurons. Antibody binding was expressed as the mean fluorescence intensity (MFI), and a difference in MFI between patient and control serum samples of more than +3 standard deviations was considered positive.
The difference in the number of individuals with serum antibodies to D2R or NR1 between patients and control participants was significant, at 8 vs no participants (< .001).
Positive D2R autoimmunoglobulin binding was found in three patients (IgG autoantibodies in three patients and IgM autoantibodies in one patient), whereas positive NMDA receptor binding was seen in six patients (IgG autoantibodies in five patients, and IgM and IgA autoantibodies in one patient each).
Crucially, further analysis confirmed the specificity of the antibody and that live cells are required to demonstrate autoantibody binding.
Dr Brilot is optimistic that the findings could point to future treatment options.
"It's a very good moment in the field, because those autoantibodies in neurological disease have been shown to be very helpful in terms of diagnosis, but also in terms of treatment," she said.
"There's more and more data looking at how the antibody behaves with treatment and as a biomarker, but also at the cause of the disease," she added.
Nevertheless, Dr Brilot acknowledged that psychosis is a "complex disease" and that there is still a long way to go before the precise role of the autoantibodies can be elucidated.
Autoantibodies, she said, are markers of the immune system being activated, but "is it the cause of psychosis? I don't think that it is. I think we're looking at subgroup."
"In that subgroup...is it really only the antibodies that are the cause of this disease? Well, we don't know. I think more studies are needed at this point," she said.
Dr Brilot noted that this study was an important "first step" but that more research is needed.
"It's the beginning, and that's why its very interesting. It's taking everything we know from the neurological field and trying to apply to the psychiatric field, where obviously we are in dire need of new treatment options," she concluded.

Breakdown of Blood-Brain Barrier?

Commenting on the findings for Medscape Medical News, Scott Russo, PhD, associate professor of neuroscience, Icahn School of Medicine at Mount Sinai, New York City, described the results as "exciting."
Dr Scott Russo
"There's been a couple of other results that have shown similar things...and this is a really bona fide case where antibodies against the NMDA receptor can cause a number of symptoms that are classically associated with psychiatric illness, including things like cognitive dysfunction and memory loss," he said.
Dr Russo, who was not involved in the research, explained that there are a few outstanding questions that need to be answered. The first centers on the size of the autoimmune antibodies, which are typically too large to cross the blood-brain barrier.
In neurologic conditions such as NMDA encephalitis, there is a breakdown of the blood-brain barrier that allows the autoantibodies to pass through. However, it is not clear how they could enter a healthy brain.
"So the question is, Is schizophrenia or psychosis one of these situations where we are seeing breakdown of the barrier and, thus, in a subset of patients that do overproduce these antibodies, combined with the breakdown of those vascular regions, you end up with a psychiatric phenotype?
"The other thing to consider really is that there is no functional study done yet to prove that the existence of these autoantibodies against the D2 receptor or NR1 receptor can cause the behaviors that we associate with schizophrenia or other mental illnesses," he said.
"There's really no translational animal model that I could find that would prove that there's a functional connection between the two, because, at this point, you want to caution people that it is correlation, and it's correlation really only in a small subset of patients."
Dr Russo nevertheless believes that should these findings be replicated in further studies, there may be an opportunity to tackle psychosis at a crucial stage.
"For these types of illnesses, the key is finding it early and, from a research perspective, I think what you'd want is to prevent the longer-term damage that could occur from your body eating itself."
"I think if you have multiple events over a lifetime, there's probably going to be enough permanent damage that reverting back or treating becomes more difficult," he concluded.
The study was supported by funding from the Star Scientific Foundation (Australia), the Tourette Syndrome Association (USA), the Petre Foundation (Australia), and the National Health and Medical Research Council of Australia. A patent has been filed by Dr Fabienne Brilot and coauthor Russell C. Dale, MD (University of Sydney) proposing dopamine-2 receptor as a target for autoantibodies. No other relevant financial relationships were reported.

Biol Psychiatry. 2015;77:537–547. Abstract

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Cotidiano

Estas Perguntas e respostas foram trocadas com meu irmão Walter Meira quando era adolescente, e publico agora - com permissão - em homenagem a sua graduação médica neste ano de 5775.


Tenho tido contato com pessoas que conhecem os textos bíblicos e outras não, mas ambas  tem contato com o porco, peixe de couro e etc ...Algumas mesmo com algum conhecimento não fazem ideia dos males causados pelo porco pensam que era proibido porque na época de Moisés eles comiam a carne crua e que o clima era quente (não muito apropriado pra comer carne de porco).  
  Aqui vemos a importância de compreendermos os aspectos alergênicos. O reconhecimento das reações alérgicas é genérico, no entanto a argumentação acima, que é usual, não considera esta perspectiva.

Em síntese, os suínos e outros coprófagos e necrófagos causam alergias internas em todas as pessoas, que irão refletir em inflamações nos órgãos mais propensos de cada indivíduo.
  

 Mas a pergunta é: O que o peixe de couro tem que causa doenças e o de escama não tem?

Peixe de escama possui esqueleto ósseo, enquanto que o de couro, cartilaginoso. Na escala zoológica, os peixes de couro estão mais perto dos répteis, que causam tanta alergia quanto os suínos.

 A convivência com caboclos na amazônia sugeriu o desprezo pelos peixes de couro. A imagem que proponho é a do Bagre, que vive enfiado no lodo, alimentando-se de matérias orgânicas em decomposição e cheirando a lodo. Uma carne mais desejável seria de uma carpa, que vive em águas límpidas.
Comento mais em: 

http://luizmeira.com/piscis.htm
http://luizmeira.com/suinos.htm 

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Porco no PET?


PRODUÇÃO DO POLI(TEREFTALATO DE ETILENO) MODIFICADO COM
GLICEROL E DERIVADOS

Dissertação de Mestrado apresentada ao 
Programa de Pós-graduação em Engenharia 
Química, COPPE, da Universidade Federal do 
Rio de Janeiro

1.Introdução........................................................................................................................... 1
2.Revisão Bibliográfica ........................................................................................................ 4
2.1. Propriedades e Aplicações........................................................................................ 4
2.1.1. Degradação Térmica do PET............................................................................. 5
2.1.2. Estrutura Morfológica........................................................................................ 6
2.2. Processos de Síntese do PET..................................................................................... 8
2.2.1. Etapa de Pré-Polimerização............................................................................... 9
2.2.2. Etapa de Policondensação................................................................................ 10
2.2.3. Etapa de Policondensação no Estado Sólido .................................................. 12
2.3. Concorrentes e Substitutos do (PET)...................................................................... 12
2.3.1. Substitutos do PET a Partir de Fontes Renováveis........................................ 14
2.3.2- PET Ramificado............................................................................................... 19
2.3.3. O Uso do Glicerol para a Produção de PET Ramificado............................... 21
2.4-O Glicerol na Indústria de Polímeros..................................................................... 24
3.Metodologia Experimental.............................................................................................. 27
3.1- A Unidade Experimental......................................................................................... 27
3.2- Procedimentos de Reação ....................................................................................... 30
3.2.1-Reagentes.......................................................................................................... 30
3.2.2- Polimerização................................................................................................... 30
3.3-Técnicas de Caracterização..................................................................................... 32
3.3.1-Espectroscopia de Infravermelho por Transformada de Fourier (FTIR)...... 32
3.3.2-Calorimetria Diferencial de Varredura (DSC)............................................... 33
3.3.3- Análise Termogravimétrica (TGA)................................................................. 35
3.3.4- Viscosimetria.................................................................................................... 35
3.3.6-Espalhamento de Raios-X (DR-X)................................................................. 37
3.3.7-Cromatografia de Permeação em Gel (GPC)................................................. 38
4.Resultados e Discussão.................................................................................................... 39
4.1 – Reação Padrão de Produção do PET.................................................................... 39
4.2 – Efeito do Glicerol nas Propriedades do PET ....................................................... 44
4.3 – Efeito do 3-Oxialil-1,2-propanodiol nas Propriedades do PET.......................... 57
4.4 – Efeito do Isopropilenoglicol nas Propriedades do PET....................................... 65
5.Conclusões e Sugestões................................................................................................... 72
6.Referências Bibliográficas............................................................................................... 751


Conclusões e Sugestões
Tomando como base os resultados obtidos nos diversos ensaios experimentais 
realizados nessa dissertação, algumas conclusões podem ser obtidas. Primeiramente, foi 
mostrado que glicerol, 3-oxialil-1,2-propanodiol e 1,2-propanodiol podem ser 
incorporados na cadeia do polímero durante as etapas de oligomerização e
policondensação no estado fundido do PET de forma expressiva e que a incorporação 
desses comonômeros pode provocar modificações significativas nas propriedades do 
polímero final. Isso pode permitir o desenvolvimento de novos grades comerciais de 
PET no futuro.
O uso de altas concentrações de glicerol na polimerização é limitado pela 
tendência de formação de materiais reticulados. Nesse estudo, o uso de 15 mol% de 
glicerol no meio reacional resultou em um polímero com alto grau de reticulação, 
quando a reação foi conduzida de forma similar à usada para produzir o PET 
homopolímero. Como a produção de polímeros reticulados no ambiente do reator pode 
não ser interessante, devido à impossibilidade de processar essas resinas posteriormente 
através da fusão, o alto conteúdo de glicerol deve ser compensado pela redução da 
conversão, que só deve ser aumentada durante o processamento (cura). 
Uma possível alternativa para aumentar o uso do glicerol na indústria de 
plásticos é utilizar compostos derivados do glicerol e com menor funcionalidade. O uso 
dessa técnica permitiu incorporar pelo menos 25 mol% de 3-oxialil-1,2-propanodiol e 
100 mol% de IPG nos ensaios. Nesses casos, foi mostrado que é possível obter resinas 
com menor cristalinidade, menores temperaturas características de transição térmica e 
maiores viscosidades intrínsecas que aquelas obtidas com amostras de PET 
homopolímero nas mesmas condições de reação. 
A presença do glicerol ou de seus derivados no meio reacional provocou, em 
todos os casos, aumento da taxa de reação na primeira etapa da reação e um maior grau 
de avanço na segunda etapa, o que do ponto de vista industrial pode resultar em 
diminuição considerável dos custos de produção. Foi observado ainda que a simples 73
presença do glicerol no ambiente de reação não é capaz de melhorar a taxa da reação 
sem a presença do sistema catalítico, de maneira que o efeito observado é 
essencialmente cinético.
As variações nas temperaturas de fusão e cristalização do polímero se mostraram 
bem correlacionadas com o teor de comonômero inserido no sistema. As resinas 
modificadas tanto com o glicerol quanto com seus derivados apresentaram redução nas 
temperaturas de fusão e cristalização. A diminuição da temperatura de fusão permite 
que se processe a resina sob temperaturas mais brandas. Já a diminuição na temperatura 
de cristalização dificulta a cristalização do material, o que é importante para diversas 
aplicações onde é desejável, principalmente, a produção de matérias transparentes.
A presença dos comonômeros afetou negativamente a estabilidade térmica, pois 
a presenças das ramificações e dos grupos laterais de cadeia facilitaram o processo de 
degradação do polímero. Contudo, a redução da estabilidade térmica das amostras 
analisadas não foi muito pronunciada. Como a incorporação do comonômero provoca 
diminuição da temperatura de fusão, permitindo o processamento do polímero a 
temperaturas mais brandas, essa diminuição da estabilidade térmica pode não constituir 
um fato relevante. 
As análises de viscosidade intrínseca e GPC indicaram que, de forma geral, 
ocorreu aumento de massa molar, tanto nas reações em que foi utilizado glicerol quanto 
nas reações em que foi utilizado um derivado do glicerol. O aumento da massa molar é 
devido à inserção de ramificações e de grupos laterais extras na cadeia, além de resultar 
do aumento da velocidade de reação.
Mostrou-se também que o momento em que se faz a adição do glicerol no meio 
reacional também influencia as propriedades do polímero final obtido. Na reação em 
que se adicionou o glicerol no fim da etapa de oligomerização, o polímero apresentou 
maior facilidade de cristalizar e foi observada uma sutil diminuição na estabilidade 
térmica. Ambos os efeitos estão relacionados à formação de segmentos lineares mais 
longos. 
Além das mudanças ocorridas nas diversas propriedades dos polímeros, a 
incorporação dos comonômeros na cadeia pôde ser também observada através das 
modificações nos espectros de infravermelho das amostras, devido surgimento de 
bandas características de estruturas presentes na estrutura dos comonômeros.74
Como sugestão para trabalhos futuros propõe-se estudar a produção de resinas 
PET modificadas com outros derivados do glicerol, o acompanhamento do efeito da 
modificação no PET sobre suas propriedades mecânicas e a realização de reações com o 
acompanhamento da viscosidade do meio reacional, através da monitoração do torque 
exercido sobre o agitador, visando minimizar a formação de gel na polimerização no 
estado fundido. 75

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Re: Na artrite e na artrose

Em 6 de julho de 2012 06:34, Candida escreveu:
Olá Luiz!
Bom dia!
Partilhando com você esse e-mail pois sofro deste mal e como você foi eleito nosso Médico de Família,
agradeço e prezo sua opnião.
Até breve, se Deus quiser.

Candida  

 

A ação da glicosamina na artrite e na artrose 

Postado por Sergio Rocha

 

Olá Candida,

Aqui vemos a possibilidade da fonte ser de peixes alergênicos

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

sangue na farinha

Em 21 de dezembro de 2011 22:08, Ismael escreveu:
 
Boa noite amigo
 
recentimente fui informado que na tradicional massa de milho tb se encontra sangue suino comom fonte de ferro. 
vc poderia pesquisa se isso e verdade? desde ja muito obrigado.
 Date/Time: 2011-12-21 16:08:39 
Referrer: http://luizmeira.com/suinos.htm

Olá Ismael,
Gostei do "tb", pois um agravante atual do milho é a transgenia induzindo autoimunidade (alergias), mais comum na forma de óleo, maizena, fubá e farinha, no entanto, os grãos na espiga ou não tb são transgênicos.

A contaminação com sangue é assunto antigo, insumo tradicional para ração animal, entrando como fonte de ferro, proteínas, minerais... na forma de farinha de sangue.


Quanto ao uso para humanos nunca consegui verificar pois a anvisa mede a quantidade de ferro na farinha mas a procedência é ignorada.

Agora, um setênio após a introdução de possíveis elementos imunes nas farinhas temos uma efusão de colites diversificadas muitas evoluindo para degenerações disfuncionais ou neoplásicas.

Abordei esta questão somente com o Trigo na época pois esperava que o PT não deixaria o milho transgênico se alastrar... muito menos esperaria que o feijão transgênico poderia ser construindo e disponibilizado por uma empresa estatal brasileira durante o mandato do PT...

A situação atual está muuuuito pior do que vc está tentando ver... o alastramento das incapacidades está mostrando isso.

mesmo alguns produtos orgânicos modificados geneticamente estão induzindo alergias.

A partir de 2011 considero o Trigo extinto, dentre uns 4 anos aqui no Brasil talvez o Milho orgânico íntegro geneticamente será inviável.

Ainda quanto a contaminação de farinhas é importante lembrar que outros tipos de farinhas tb podem conter contaminações.... melhor seria fazer como os alemães e alguns vizinhos que utilizam moinho de pedra doméstico, comprando o grão íntegro no mercado e fugindo das contaminações industriais.

Luiz Meira

domingo, 10 de abril de 2011

Alergenos subliminares

Obrigado pelo incentivo Raquel

Talvez encontre mais neste blog:



Atenciosamente
luizmeira.com
19  9612 6029


Em 8 de abril de 2011 22:28, raquel <cequel.cequel@yahoo.com.br> escreveu:

 
 mtoooo bommm


--
Date/Time: 2011-04-08 18:28:28 PDT
Sender IP: 200.140.20.196 [Brazil] | mm55pai98ulrbo49
Referrer: http://luizmeira.com/suinos.htm

quarta-feira, 7 de julho de 2010

detalhes

Em 5 de julho de 2010 22:00, Hitatiana <hitatianasantiago@yahoo.com.br> escreveu:
 
Muito legal esta materia sobre glicerina/glicerol. Muitas pessoas desconhessem a composição dos alimentos e acham que ser kasher é apenas tirar do cardápio a carne de porco. Se esquecem ou até mesmo não sabem que muitos produtos como esse da materia (gelatina) tem origem animal e suína. Sempre olho a composição dos produtos antes de comprar nos mercados comuns.
Shalom


Date/Time: 2010-07-05 18:00:34 PDT
Sender IP: 189.120.112.2 [Brazil] | mm55pai98ulrbo49
Referrer: http://luizmeira.com/suinos.htm